Gestão Compartilhada – Militarização das escolas

Publicado por Vanessa Araújo Santos em

Fique por dentro do que é fato e fake na Gestão Compartilhada das escolas do DF

CENSURA

FAKE
“Professores que lecionam em escolas militarizadas afirmam que ambiente é hostil, que são coagidos constantemente e que há intervenção e ingerência da PM na parte pedagógica. A regra é vigiar e punir.”

FATO
Conforme o plano apresentado ao GDF, há uma clara divisão de tarefas dentro das escolas, onde a direção pedagógico-administrativa (professores) têm total autonomia no desenvolvimento das atividades pedagógicas regulares. Já a direção disciplinar (policiais) é desenvolvida paralelamente e de maneira complementar, ajudando o aluno a interagir de maneira ordeira, pacífica e harmoniosa em sociedade.

ILUSÃO

FAKE
“A polícia atua na escola como se estivesse nas ruas e trata os estudantes como bandidos. O que deveria ser um espaço de acolhimento e resolução de conflitos se tornou local de opressão em que estudantes são divididos em castas.”

FATO
O tratamento dispensado aos alunos em nada se assemelha ao de indivíduos em conflito com a lei, ao contrário, os alunos são tratados como pessoas em fase de formação, que necessitam de bons exemplos e correção quando necessário.
Não há divisão em castas ou qualquer outra forma de exclusão dos alunos por parte da direção disciplinar, ao contrário, o tratamento é igualitário.

As eventuais faltas disciplinares cometidas por alunos são analisadas individual e isoladamente como fatos. A disciplina e o senso crítico não são de forma alguma excludentes. O cidadão disciplinado, capaz de se integrar de forma pacífica e harmoniosa na sociedade, terá muito mais capacidade de reagir de forma não conflituosa, resiliente e tolerante às vicissitudes.

A disciplina e o senso crítico não são de forma alguma excludentes. O cidadão disciplinado, capaz de se integrar de forma pacífica e harmoniosa na sociedade, terá muito mais capacidade de reagir de forma não conflituosa, resiliente e tolerante às vicissitudes.

PERIGO

FAKE
“Os profissionais não têm perfil nem formação e muito menos preparo pedagógico para atuarem com estudantes. São policiais afastados por diversas doenças psicológicas muito sérias como estresse, depressão, esgotamento e outras.”

FATO
Sim, alguns policiais têm restrição à atividades específicas da polícia, mas nenhuma delas contraindica o desempenho das funções propostas na Gestão Compartilhada.
Os policiais foram submetidos a capacitação técnica específica para o bom desenvolvimento de suas atividades e diversos integrantes tem formação na área pedagógica e desempenharam a função de professor anteriormente.

DESRESPEITO À IDENTIDADE

FAKE
“Nada de brincos, piercings, tatuagens, acessórios, black power, rastafari, dreads ou afins. Para os meninos, cabelo raspado, para as meninas, coque baixo.”

FATO
A identidade do indivíduo não se restringe a sua aparência física e tem espaço para se manifestar de outras formas. Entretanto, assim como em diversos setores da sociedade, há padrões estabelecidos para a apresentação individual, o famoso Dress Code, que nada mais é do que o conjunto de regras sobre o que se deve vestir para cada ocasião de acordo com o evento.

PROMETEU E NÃO CUMPRIU

FAKE
“O governo Ibaneis afirmou que injetaria R$ 200 milhões em recursos nas escolas militarizadas, mas a realidade é bem diferente.”

FATO
Segundo o Secretário de Educação Rafael Parente, o custo por escola é de R$ 200 mil e não de R$ 200 milhões e o recurso sairá da Secretaria de Segurança.

Categorias: Sem categoria

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *